Busca e apreensão de veículos

Enquanto a maioria das concessionárias comemoravam ao aumento das vendas de veículos ou motos, e as financiadoras com o lucro em cima dos juros abusivos e parcelas a se perderem de vista, os consumidores se apertavam financeiramente para realizar um sonho: de ter o próprio veículo.

Muitos consumidores, com o objetivo de ter seu próprio meio de transporte, não se preocuparam com o tipo de financiamento – Leasing ou CDC -, com os juros e o número de parcelas, e, com isso, surgiu um problema: a inadimplência.

A partir do primeiro dia de atraso da parcela a financiadora já tem direito sobre o veículo, porém elas aguardam o envio de várias cobranças até que chegue o oficio judicial de busca e apreensão do bem. Vale ressaltar que é um “mito” dizer que o banco só pode apreender o veículo após três meses de atrasado, sendo que, na verdade, ele aguarda a possibilidade de quitação do saldo devedor e / ou a liminar da justiça.

Mas como evitar a busca apreensão? Se você está com este problema consulte de imediato um advogado especialista em direito bancário, só ele poderá intervir judicialmente no caso. O advogado irá entrar com um ação de revisão de contrato, expedindo um laudo pericial eliminando os juros compostos, que é ilegal.

Uma dica ao consumidor é que entre com o pedido de revisão de contrato de financiamento antes da ação banco, pois, assim, dificulta a possibilidade da apreensão, e mostra que você tem sua boa intenção de resolver a causa. Além disso, a instituição financeira dá preferência em receber o dinheiro emprestado ao ter o veículo, e depois ter que leiloá-lo.

Devido ao número de inadimplência, hoje, o governo federal aumentou os juros e diminuiu o números de parcelas no financiamento para dificultar a venda excessiva.

E, lembre-se: antes que qualquer atitude consulte sempre um advogado!
Alex Andrade Advogados & Associados